fbpx
Diabetes

Novo guideline sobre hiperglicemia hospitalar da Endocrine Society

hospital
Escrito por Ícaro Sampaio

Pacientes com diabetes mellitus (DM) têm uma chance três vezes maior de hospitalização em comparação com aqueles sem diabetes. Além disso, há inúmeras evidências de que a hiperglicemia em pacientes internados, com ou sem diagnóstico prévio de diabetes, está associada a um risco aumentado de complicações e mortalidade.

O manejo da hiperglicemia em pacientes hospitalizados possui inúmeras particularidades devido ao estado dinâmico no qual esses se encontram. As últimas diretrizes sobre o tema não abordavam o uso de novas tecnologias no ambiente hospitalar, como por exemplo o monitoramento contínuo de glicose. A maioria delas também não esclarecia de forma clara quando e como utilizar as terapias não insulínicas. Respondendo a esses e outros questionamentos, foi publicado o novo guideline da Endocrine Society sobre o manejo da hiperglicemia em adultos hospitalizados não críticos. Veja abaixo as principais recomendações:

  • O guideline sugere utilizar o monitoramento contínuo de glicose em tempo real (CGM) em adultos não críticos com alto risco de hipoglicemia, sendo realizada a confirmação com testes de glicemia capilar (GC), para realização dos ajustes da insulinoterapia. Obviamente, isso não se aplica às situações nas quais o CGM tem sua acurácia comprometida, como nos casos de lesões cutâneas extensas, hipoperfusão/hipovolemia ou uso de droga vasoativa.
  • Em pacientes que faziam uso de sistema de infusão subcutânea contínua de insulina (SICI) antes da admissão, sugere-se manter o sistema, ao invés de mudar para esquema basal-bolus subcutâneo. Lembrando que esta recomendação só é válida para os serviços nos quais a equipe possui experiência com bombas de insulina.
  • No caso de pacientes portadores de DM que irão se submeter a procedimentos cirúrgicos eletivos, deve-se buscar níveis pré-operatórios de hemoglobina A1c (HbA1c) < 8% e glicemia capilar de 100 a 180 mg/dL.
  • Para a maioria dos pacientes hospitalizados hiperglicêmicos (com ou sem DM2), a preferência será pelo tratamento com insulina. No que se refere às terapias não insulínicas, os inibidores da dipeptidil peptidase-4 podem ser apropriados em pacientes DM2 com hiperglicemia leve, podendo ser associados ao esquema de correção ou às doses fixas de insulina.
  • Em pacientes sem diagnóstico prévio de DM, com GC à admissão > 140 mg/dL, pode ser iniciado apenas esquema de correção, com reavaliação após 24 horas. Caso sejam identificados ao menos dois valores de GC > 180 mg/dL, deve ser iniciada insulinoterapia em dose fixa. O objetivo será manter a glicemia na faixa de 100 a 180 mg/dL.
  • Em caso de paciente portador de DM2, em tratamento apenas com dieta ou antidiabéticos orais/injetáveis, deve-se iniciar insulinoterapia em doses fixas já na admissão, se GC > 180 mg/dL.

Sem dúvidas, o maior destaque do novo guideline é a recomendação para uso do GCM no ambiente hospitalar, que à propósito, é muito bem-vinda. As glicemias capilares realizadas a cada 4-6 horas nem sempre nos permitem acompanhar toda a variabilidade apresentada pelos pacientes hospitalizados, principalmente aqueles com maior risco de hipoglicemia.

 

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: