fbpx
Diabetes

Tirzepatida aprovada pela FDA para tratamento de diabetes

tirzepatida
Escrito por Ícaro Sampaio

O peptídeo-1 semelhante ao glucagon (GLP-1) e o polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose (GIP) são hormônios peptídicos secretados pelas células enteroendócrinas do intestino delgado e do cólon em resposta à ingestão de nutrientes. Com relação à homeostase da glicose, seu principal efeito, o efeito incretina, é aumentar a secreção de insulina estimulada pela glicose da célula beta pancreática. Na fisiologia normal, acredita-se que o GIP seja o principal hormônio responsável por esse efeito.

A tirzepatida é um co-agonista dos receptores do GIP e GLP-1, com estrutura principal da sequência de aminoácidos do GIP.  Cinco estudos pivotais publicados em 2021  estabeleceram a eficácia sem precedentes do medicamento para reduzir os níveis da HbA1c e o peso corporal em portadores de diabetes mellitus tipo 2 (DM2). No estudo SURPASS-2, por exemplo, a tirzepatida se mostrou superior à semaglutida quando avaliados esses dois parâmetros.

O SURPASS-2 foi um ensaio clínico, fase 3, no qual participantes portadores de DM2 foram randomizados para tratamento com tirzepatida nas doses de 5, 10 e 15 mg e semaglutida na dose 1 mg. O desfecho primário foi mudança da HbA1c após 40 semanas e, dentre os desfechos secundários, foi analisada a perda de peso. No que se refere à HbA1c, houve redução significativa nos grupos tirzepatida em relação à semaglutida (até -2,3% no grupo tirzepatida 15 mg). Quanto ao peso, também houve redução nos 4 grupos, porém mais importante no grupo tirzepatida (-11,2 kg com tirzepatida 15 mg).

Resultados interessantes também foram observados no SURPASS-3, um estudo de 52 semanas que comparou a eficácia de tirzepatida 5 mg , 10 mg  e 15 mg com insulina degludeca titulada em adultos com DM2 tratados com metformina, com ou sem inibidor do SGLT-2. A tirzepatida reduziu a HbA1c dos participantes em uma média de -1,9% (5 mg), – 2,0% (10 mg) e – 2,1% (15 mg) em comparação com – 1,3% com uso de insulina degludeca.

Com base nesses dados, na última sexta-feira, dia 13 de maio, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou o uso da tirzepatida (nome comercial Mounjaro) para tratamento de adultos com diabetes mellitus tipo 2. De acordo com a empresa farmacêutica responsável, a tirzepatida estará disponível em seis doses (2,5 mg, 5 mg, 7,5 mg, 10 mg, 12,5 mg, 15 mg), permitindo assim a titulação adequada do tratamento, no intuito de minimizar os eventos adversos gastrointestinais.

Sobre o autor

Ícaro Sampaio

Graduação em medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco
Residência em Clínica Médica pelo Hospital Regional de Juazeiro - BA
Residência em Endocrinologia e Metabologia pelo Hospital das Clínicas da UFPE
Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Editor Endocrinopapers
Médico Endocrinologista no Hospital Esperança Recife e Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: